Categorias
capa_branding

Qual a diferença entre branding e identidade visual?

O branding se tornou parte indispensável do vocabulário dos profissionais de marketing na última década. Com grandes corporações investindo cada vez mais em ações desse tipo, todo mundo começou a se interessar pelo assunto.

Porém, as definições do tema ainda são confusas para muita gente. Branding é a mesma coisa que “marca”? E identidade visual, o que é? Se eu fizer a identidade visual da minha empresa, estou fazendo uma ação de branding? Preciso ter os dois? Posso ter marca e não ter identidade visual? Como posso fazer o planejamento de branding para a minha empresa?

Calma, a gente explica:

BRANDING

Empresas são parecidas com as pessoas: cada uma possui uma personalidade diferente, baseada em sua história, na forma como se mostra para o mercado e na maneira como o público se lembra dela. A marca de uma empresa é um resumo disso tudo.

Ou seja, uma marca não é só um mero “desenhinho” que vem estampado nos produtos – é muito mais. Pense em uma grande companhia, qualquer uma. A sua relação com ela não será resumida apenas na lembrança da marca em si, mas incluirá também os seus slogans, seus comerciais, suas cores características e, principalmente, as sensações que os seus produtos ou serviços despertam em você (conforto, emoção, excitação, fome etc.).

Quando essa relação entre o público e a marca em questão é positiva, isto é, quando ocasiona uma identificação forte entre ambos, a marca passa a ganhar valor, tornando-se, em alguns casos, mais valiosa do que o produto ou empresa em questão.

Foi daí que surgiu o branding, que nada mais é do que o conjunto de técnicas, conhecimentos e estratégias utilizados para construir e fortalecer marcas. Uma boa estratégia de branding deve começar com os desejos e anseios do público-alvo, em entender como a empresa almeja ser reconhecida por essas pessoas e identificar os pontos de contato dela com o público para gerar um relacionamento positivo entre ambos.

 

Quando a estratégia de branding é bem-feita, todas as ações de comunicação da empresa com os diversos públicos, incluindo seus funcionários, parceiros, fornecedores ou consumidores, serão elaboradas em torno dos mesmos valores. E isso vai do tipo de embalagem escolhida ao call center, passando pelos comerciais e ações de marketing diversas.

Para lhe ajudar a entender, tomemos um exemplo de falha no branding: uma empresa que se apresenta para o mercado como moderna e confiável, mas utiliza embalagens malfeitas e frágeis para seus produtos. Com uma boa estratégia de branding, isso não deve acontecer.

IDENTIDADE VISUAL

Já entendemos que a marca de uma empresa traz consigo muito mais do que o seu nome e as suas cores. Mas o que isso tem a ver com identidade visual? São a mesma coisa?

A identidade visual é a forma como uma empresa, nome, ideia ou produto é representado visualmente. Essa representação é feita por meio de um conjunto de elementos visuais, cuja parte central costuma ser a marca ou logo, sintetizando a imagem da empresa em um símbolo. Esse conjunto também inclui o código de cores, as tipografias utilizadas, os grafismos e suas aplicações. A forma correta de utilizar esses elementos vem expressa em um manual de identidade visual, que contém regras para as diferentes aplicações do nome, marca e cores da empresa nos mais variados suportes (papel, TV, digital) e em diferentes situações (anúncios, posts, vídeos).

 

Uma companhia com uma identidade visual bem elaborada se tornará mais facilmente identificável pelo público, o que aumenta o valor da marca. Por exemplo: se você estiver num aeroporto no Brasil e observar um avião a distância, certamente não precisaria ler a logo para saber a qual empresa ele pertence; basta observar se a cauda do avião é laranja, vermelha ou azul. O mesmo vale para latinhas de refrigerante: se são vermelhas, laranjas ou verdes, nós nem precisamos dizer de que marca elas são, você provavelmente já sabe. Isso é algo que demonstra a força da marca dessas organizações e sua presença no subconsciente dos consumidores.

A escolha dessas cores e símbolos deve ser realizada observando a forma como a empresa almeja ser reconhecida pelo mercado, assim como as expectativas do público. Uma empresa que busca transmitir segurança e seriedade, normalmente, vai se apoiar em cores sóbrias, enquanto uma que quer transmitir uma imagem jovial utilizará matizes mais vibrantes. Em outras palavras: uma identidade visual bem elaborada auxiliará bastante nas estratégias de branding, que, por sua vez, devem levar em conta a construção de um padrão de identidade visual.

Para criar uma identidade visual perfeita ou desenvolver um planejamento de branding eficiente, as companhias devem buscar boas agências de publicidade. Se você quiser saber mais ou precisar de um orçamento, conte com o time de craques da Elevado a3 .

Clique e leia nosso case de branding.
Clique e veja uma das marcas criadas por nós.